Diversidade e inclusão muito além da moda

Diversidade e inclusão passam longe dos modismos e dos discursos políticos ou filosóficos. São fatores preponderantes para a produtividade e para o sucesso financeiro das empresas.

Estudos recentes realizados pela consultoria europeia Michael Page e pela americana BCG – Boston Consulting Group mostra um aumento de 19% nas receitas de empresas com direções mais inclusivas e 60% de resultados positivos na tomada de decisões por equipes caracterizadas pela diversidade.

Hoje, criar e manter um ambiente de trabalho plural e inclusivo é transformar tudo isso em parte ativa da cultura organizacional. É permitir e valorizar visões, opiniões e insights diferentes que vão enriquecer a tomada de decisões em todas as áreas. E com isso a produtividade aumenta.

Ao contrário do que se pensa, o desafio vai muito além do fato de ter nas equipes de colaboradores, membros de comunidades diversas. Inclui envolvimento das lideranças, posicionamento estrutural, comercial e muito planejamento estratégico.

Dar o start

Tudo o que é novo gera resistência, principalmente no que diz respeito à cultura organizacional.  E por onde começar um projeto com propostas inclusivas?

O primeiro ponto passa pela análise cuidadosa do conceito de diversidade.  Perceba se ele realmente está alinhado com a estratégia do negócio e se as ações de diversidade e inclusão estão realmente vinculadas aos valores da empresa.  Se não estiverem, chegou o momento de rever.

O envolvimento e o comprometimento das lideranças, de forma a mostrar, sistematicamente, coerência entre o falar e realizar também é fundamental para o sucesso do projeto.

Outra questão prioritária: comunicação. Enquanto a comunicação interna irá ajudar na propagação da política de diversidade entre todos os funcionários e colaboradores, a comunicação externa divulgará as ações tanto para a imprensa quanto para seu público.

Uma política séria de diversidade e inclusão precisa também mobilizar fornecedores, distribuidores, clientes e consumidores. Para cada um desses perfis, adote uma conduta específica. Por exemplo: no caso dos fornecedores a empresa pode comunicar sua nova política e estabelecer exigências para contratação de serviços.  Outra opção é dar preferência a fornecedores que já adotem tais medidas ou que sejam ligados a grupos minoritários.

Estratégias de sucesso

Projetos de diversidade e inclusão são amplos e envolvem planejamento estratégico complexo. O resultado é na maioria das vezes muito positivo. Para ajuda-lo nessa missão, listamos a seguir as condutas mais utilizadas pelas empresas.

  •  Mudança no modelo de competências e de perfis funcionais: o respeito pela diversidade deverá fazer parte, formalmente, do conjunto de habilidades essenciais para um gestor da empresa.
  • Ambientes favoráveis: observe atentamente as questões físicas e estruturais como rampas de acesso, elevadores, corrimãos, mesas de uso comum no lugar de baias de trabalho etc.). Esteja atento também às questões imateriais como acolhimento, valorização das diferenças, times mais diversos, entre outras.
  • Mentoria exclusiva: As pessoas precisam se sentir parte da empresa. Os funcionários se sentem mais confiantes e disponíveis quando enxergam o seu líder como uma referência. Precisam também estar satisfeitos com as oportunidades no ambiente de trabalho e desenvolvimento da carreira. Por isso, incluir minorias (mulheres, negros, pessoas com deficiência, LGBTI+) em cargos de liderança é muito importante e impacta na representatividade.
  • Treinamento e desenvolvimento:todos os líderes, incluindo a alta direção, e os demais funcionários precisam ser formados e treinados para as ações de diversidade na empresa, preparando-se para incluir esses valores em seu quadro de competências.
  • Ações afirmativas: Adote ações afirmativas para corrigir desigualdades históricas e use todas as formas disponíveis de comunicação para isso. Estabelecer cotas para pessoas com deficiência, mulheres, transgêneros, negros e outras minorias sociais é um tipo positivo de ação afirmativa estratégica.
  •  Grupos de afinidade: a criação de grupos empresariais com interesses em comum tem sido bastante frequente e apresentado ótimos resultados nas empresas, principalmente os relacionados à diversidade e inclusão. Esses grupos permitem networking e o estreitamento de laços profissionais, além da possibilidade de novos negócios com foco na promoção da diversidade.
Próximo post
A arte de seduzir o cliente na gôndola

Recentes

Menu